Uma onda incrível

2014-05

Mapa de polarização observado pelo experimento BICEP2. Crédito: BICEP2/Keck Array

No começo desta semana, a ciência (principalmente a física) foi sacudida por mais uma das grandes descobertas dos últimos anos, comparável à detecção do Bóson de Higgs: um time do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, utilizando o BICEP2, um “observatório” no pólo sul, capturou sinais de ondas gravitacionais na radiação cósmica de fundo, com uma certeza de mais de 99,9% (porque é assim que se mede a validade de descobertas na astronomia e na física).

Esta detecção é de soberana importância para a cosmologia, porque ela limitará nossas suposições sobre como o universo era nos seus primeiros momentos (na escala de bilionésimos de bilionésimos de bilionésimos de milionésimos de segundo, ou ~1E-34 s para os mais íntimos). Isso significa que, se antes nós tinhamos, por exemplo, uma dúzia de diferentes teorias que tentavam explicar as feições observadas no universo, agora temos apenas meia-dúzia (os números reais são diferentes, mas é por aí). Cosmologistas que estudam os mais remotos períodos do universo mais se assemelham a uma matilha de lobos a encurralar sua relutante presa, o entendimento. Neste caso, a presença das ondas gravitacionais é um indicativo de que o universo passou, de fato, por um período inflacionário.

Na falta completa de um pingo de certeza, alguns cosmologistas que veem a situação pelo ângulo do copo meio cheio preferem aproveitar para se divertir e jogar enquanto os pós-graduandos fazem o trabalho duro: com esta descoberta, Stephen Hawking declarou ser o vencedor da aposta que fez Neil Turok, University of Cambridge.

Mas eu queria chamar sua atenção para a reação do Professor Andrei Linde, University of Stanford, quando recebeu, pelos lábios de seu assistente, o Professor Chao-Lin Kuo, a notícia de que a sua teoria da inflação, proposta inicialmente por ele, havia sido confirmada:

“Apenas espero que não seja um engano. Eu sempre me preocupo com este sentimento. E se eu estiver sendo enganado? E se eu acredito nisto apenas porque é bonito?”

Se há uma onda ainda mais incrível do que estas serenas perturbações na fábrica do espaço-tempo, eu diria que é esta inundação de humildade refletida nos comentários e nos olhos do Prof. Linde. Em uma comunidade científica onde muitos indivíduos sacrificam a sanidade pessoal e de suas ideias em uma busca a qualquer custo pelo respeito e a admiração, é inspirador conhecer alguém que ainda mantém esse comportamento quase que inocente, como se ainda fosse uma criança a experimentar com o mundo a sua volta.

O artigo em formato pre-print (antes de ser peer reviewed) pode ser lido no arxiv.

Anúncios

Fique à vontade para comentar, aqui não há certo ou errado, nem censura de ideias. Mas, por favor, seja claro e, acima de tudo, use pontuação. Comentários ininteligíveis ou ofensivos não serão publicados.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s