O professor e o pichador

Pichação Manifestação de Banksy em Londres.

Nessa semana finalmente acabou a greve dos servidores públicos no campus universitário, e o ritmo de aulas está aos poucos voltando ao normal. Já o meu ritmo de estudos, bem, ainda está meio frio, faz algum tempo que eu não faço umas “horas-bunda” (uma das minhas professoras usa esta expressão para se referir ao tempo de estudo). Eu estive estudando astrofísica estelar e modelagem computacional durante as férias, mas era de maneira diferente, mais prática (apesar de ser estranho falar em astrofísica estelar prática). E com uma carga horária mais apertada, eu temo que o ritmo de postagens aqui no blog vai cair, mas eu vou me esforçar ao máximo possível para mantê-lo ativo, principalmente nos fins de semana.

E por falar em estudos, nesta semana eu topei com um texto, mais especificamente uma crônica, que me chamou muito a atenção. Ela é de autoria do professor e escritor cearense Nijair Araújo, e o que eu achei interessante foi a forma em que ele retratou um suposto professor, que eu, particularmente, considero exemplar: ao invés de repreender a manifestação de criatividade do aluno (como 90% – eu chuto – das escolas fazem), ele a alimenta, algo como a relação entre um pai e seu filho recém-nascido, que está a aprender a falar e andar. Você já esqueceu como andar e falar? Provavelmente não, porque você aprendeu da melhor maneira possível. Eu me pergunto se esse tipo de aprendizado é possível nas escolas brasileiras…

Enfim, sem mais delongas:

Mãe, sou pichador!

Ao aplicar a primeira prova de Física para os alunos do colégio onde leciono, fiquei abatido com o resultado: muitas notas baixas, conceitos físicos mal interpretados ou mal compreendidos. Ponderei muito cautelosamente sobre isso. Percebi erros básicos em fundamentos matemáticos. Alguns tópicos, porém, abateram-me mais profundamente: a dificuldade de contextualização, a limitação aparente de jovens imersos num mundo sem leitura, castrados, portanto, de imaginação; amorfos, apáticos, desconexos e desvinculados do ato criador e, mais ainda, com as placas mentais coladas por meio de um mecânico ato reprodutor e decodificador da língua.

Preocupado, embora consciente da dificuldade de interpretação do nosso alunado que, muitas vezes, não consegue solucionar um problema de Física por falta da compreensão, de entendimento daquilo que lê; propus-lhes uma redação – tema livre – para complementar a nota parcial da disciplina. Os títulos saíram os mais variados: Minha vida, A maconha, A cara do Brasil, Sexo, Um dia acontece, Meu primeiro zero, Educação… O “Pixador”.

Esse último título – tema e título se confundem num instante – mexeu comigo. Meu lado amigo, irmão e colega foram tocados. Como educador, acredito na eficiência das diversas “máscaras” com as quais trabalhamos na abordagem dos nossos alunos. Elas são úteis quando queremos compreendê-los, cativá-los e conquistá-los como pessoas.

Darei breves pinceladas do texto escrito pelo aluno, podendo, inclusive, tirar-lhe a beleza. Mostrarei, abalado, linhas coloridas da vida em branco e preto dos largados no lar:

Certa noite, um menino saiu para jogar bola numa praça perto da casa onde mora. Enquanto caminhava, distraído, introspectivo e imaginativo, observou um grupo de garotos, amigos dele, atravessando uma das avenidas do bairro. Acompanhou-os com um olhar furtivo. Flagrou-os “pixando” muros. Permaneceu alguns instantes assim, parado, envolto no mágico mundo das cores flutuantes dos rabiscos desconexos de adolescentes rebeldes e livres naquele momento.

Deixou-os. Continuou seu itinerário. Foi até a praça. Bateu sua bolinha. Voltou para casa. Retornou cansado. Descarregara suas angústias no futebol. Estava aliviado.

Em casa, em vez de segurança, de harmonia, é recebido com brigas: a mãe, o padrasto e o irmão brigam. Ele observa. Pára. Pensa. Quer ausentar-se, mas não consegue. É alvo das reclamações agora. Todos se voltam contra ele. O que se passa, meu Deus? Não fiz nada. Não sei por que discutem. Pensa tristonho, envergonhado. Por que brigam tanto? Odeio isso. Morro de vergonha quando chego e… a vizinhança percebe… meus amigos ficam curtindo comigo… Vou fazê-los sentir a mesma vergonha que me consome.

Vai para o quarto. Quer vingança. Adormece.

Amanhece o dia. Nova aurora. Nova esperança. Vida nova.

– Mãe?

– O que é!?

– Quero cinco reais para comprar uma bola.

A mãe quase não dá o dinheiro, mas acaba cedendo. O menino, irresoluto, sai apressado. Compra um “spray”.

À tardinha, no mesmo horário do dia anterior, procura os amigos. Pergunta se pode acompanhá-los na pichação:

– Eu tenho um tubo de “spray”. Posso ir?

– Claro – responderam satisfeitos.

O garoto picha a primeira vez. Realiza-se. Os companheiros afagam-no, estimulando-o a novas peripécias.

O ideal único e o objetivo comum conquistam-no. Agora é um pichador convicto, de bandeirinha e tudo. Novas peraltices, novos muros, novas aventuras…

Durante umas das pichações, o menino, agora com o pseudônimo de Ventura, foi flagrado por uma viatura da Polícia Civil que o apreendeu, levando-o à mãe que o recebeu sob os olhares curiosos da vizinhança em festa. “O filho da Quirina, você viu? Chegou de viatura…” Bons vizinhos, solidários…

Ventura, o pichador, ficou alguns dias trancado em casa. Proibiram-no de sair, pensando que resolveriam o problema. Que nada. Isso apenas intensificou a revolta, a raiva do menino.

Hoje em dia, ele ainda descarrega suas revoltas nos muros das casas existentes nas proximidades de onde mora.

– Professor?

– Pois não.

– Tem um aluno querendo falar com o senhor.

– Deixe-o entrar.

– Com licença, professor!

– Tudo bem, rapaz? Sente-se. Podemos conversar?

– Tá. Podemos sim.

– Adorei sua redação. De onde surgiu a inspiração?

– Da minha vida. É assim que eu me sinto. É assim que reclamo, que grito para chamar a atenção. O senhor vai me punir? Vai mostrar minha redação ao diretor?

– Não. A partir de hoje quero apenas fazer parte das suas pichações.

– O senhor!?

– Sim. Vamos aprender juntos a colorir os muros da imaginação? Vamos colorir a vida com a beleza do conhecimento?… E aí, topa? Você tem facilidade para escrever, rapaz. Quer me auxiliar no laboratório de Física? Nos intervalos, a gente aproveita e escreve sobre qualquer coisa. Quem sabe você apresenta tudo isso algum dia para alguém avaliar.

– O senhor me ajuda?

– Claro.
Fortaleza – Ce, 22 de março de 1999.

Quem é envolvido com a ciência, mais cedo ou mais tarde acaba se envolvendo com o ensino. Apesar de ser uma simples crônica, este texto tem um potencial muito grande para nos fazer pensar sobre a maneira com a qual nós tratamos o aprendizado dos alunos. Eu penso que professores são os profissionais que tem a maior capacidade de transformar o mundo, mas eu também entendo que há forças (principalmente políticas) que impedem o desenvolvimento pleno dos alunos, de forma a mantê-los controlados sob as rédeas da ignorância. Eu acredito que a melhor maneira de romper esse ciclo vicioso é através de pequenos atos como esse retratado no texto.

Esta crônica faz parte do livro “Crônicas e mais um conto”, que pode ser adquirido nas Livrarias Ao Livro Técnico do North Shopping e do Centro Cultural Dragão do Mar ou com o próprio autor, através de solicitação via e-mail. Ela também pode ser lida na página do autor: Creative Media – Nijair Araújo

Anúncios

Fique à vontade para comentar, aqui não há certo ou errado, nem censura de ideias. Mas, por favor, seja claro e, acima de tudo, use pontuação. Comentários ininteligíveis ou ofensivos não serão publicados.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s