Como olhar para o céu

Constelação de Órion, por C. Picking (southernskyphoto.com)

Você não sai ou viaja por aí sem saber o caminho, né? Na astronomia é a mesma coisa: para você chegar a um objetivo (por exemplo, observar a estrela Sirius), é extremamente recomendável que você saiba como chegar lá. No caso da estrela Sirius é muito fácil, é só procurar pela estrela mais brilhante do céu durante o verão ou outono. Mas para objetos menos destacados, usa-se as cartas celestes ou mapas astronômicos.

Para ler um desses mapas, é necessário no mínimo saber os pontos cardeais: o Leste é a direção onde nascem o Sol e a Lua, e Oeste é onde se põem; se você estiver de frente para o Leste, o Norte vai estar a sua esquerda e o Sul a sua direita; simples assim. Agora vem a parte mais legal: identificar objetos no céu! Mas é importante lembrar que as posições desses objetos depende de sua posição na Terra, então, por exemplo, o céu para uma pessoa que mora no Amazonas é bem diferente do céu para um gaúcho.

Vou listar alguns dos objetos mais fáceis de se identificar:

  • Sirius: estrela mais brilhante no céu, visível ao anoitecer durante o verão e outono.
  • Escorpião: é a constelação que mais se parece com o objeto que lhe dá nome. Visível no horizonte leste ao anoitecer durante o outono e inverno. Tem uma estrela vermelha no meio chamada Antares.
  • Cruzeiro do Sul: é uma constelação localizada na parte sul do hemisfério celeste, também com formato fácil de identificar. É visível durante praticamente o ano inteiro.
  • Alfa Centauri: uma das estrelas mais brilhantes do céu, é fácil de localizar por estar perto do Cruzeiro do Sul, além de ter uma outra estrela bem brilhante por perto, a Beta Centauri. Também é visível durante a maior parte do ano.
  • Órion: outra constelação bastante famosa, tem o formato (é preciso bastante imaginação!) de um caçador. Aqui no Brasil, o cinturão de Órion é conhecido como as Três Marias. É visível no anoitecer durante o verão e outono.

Constelação de Órion, vista a olho nu

Esses foram os primeiros objetos que eu consegui identificar com mais facilidade quando fui iniciado na astronomia. Depois de dominar a localização destes, você vai conseguir utilizar mapas celestes, pois terá referências.

Nós estamos no século 21, usar mapas de papel é coisa do passado! Eu recomendo que você use o software gratuito Stellarium. Ele tem um pacote de idioma em português brasileiro, e pode ser instalado em Windows, Linux e Mac. Ele simula o céu em tempo real, e é possível alterar as condições de observação (exige conhecimento mais avançado). Para que ele gere mapas coerentes, é preciso informar a sua exata localização. Dê uma fuçada no programa e você vai encontrar a configuração de local, onde você poderá procurar pelo nome da cidade ou inserir as coordenadas manualmente (você pode encontrar as coordenadas do seu local no Google Earth).

Pronto! Agora você já tem um mapa celestial e sabe lê-lo. Caso queira se aprofundar ainda mais, pode se informar sobre as coordenadas celestes.

Anúncios

Fique à vontade para comentar, aqui não há certo ou errado, nem censura de ideias. Mas, por favor, seja claro e, acima de tudo, use pontuação. Comentários ininteligíveis ou ofensivos não serão publicados.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s